Voltar
Inteligência Emocional

Inteligência Emocional

Emoções Não Processadas 

Há sentimentos que existem de forma “não processada” dentro de nós. Muitas preocupações, por exemplo, talvez permanecem rejeitadas e sem interpretação e se manifestem como uma forte ansiedade sem direção. Sob sua oscilação, podemos sentir uma necessidade compulsiva de nos mantermos ocupados, com medo de passar um momento sozinhos ou nos agarrar a atividades que garantam que não encaremos

o que nos assusta (isso inclui pornografia na internet, acompanhar as notícias ou se exercitar compulsivamente). Um tipo semelhante de rejeição pode acontecer com relação à dor. Alguém pode ter abusado de nossa confiança ou violado nossa autoestima, mas somos levados a fugir e não reconhecer honestamente um grau espantoso de exposição e vulnerabilidade. A dor está em algum lugar ali dentro, mas, na superfície, adotamos uma alegria frágil – por ser a tristeza que não conhece a si mesma, nos amortecemos quimicamente ou então adotamos um tom cuidadosamente não específico de cinismo, que mascara a ferida específica que foi feita em nós.

Pagamos um preço alto por não conseguirmos “processar” nossos sentimentos. Nossa mente fica cada vez menos original devido a uma apreensão histórica quanto a seu teor. Ficamos deprimidos com tudo porque não conseguimos ficar tristes com uma coisa específica. Não conseguimos mais dormir, pois a insônia é a vingança de todos os muitos pensamentos que deixamos de processar no dia.

Precisamos ter compaixão por nós mesmos. Evitamos processar emoções porque sentimos que elas são muito contrárias a nossa autoimagem, muito ameaçadoras às ideias de normalidade de nossa sociedade e muito contrastantes com quem gostaríamos de ser. Uma atmosfera favorável ao processamento seria aquela na qual as dificuldades de ser humano fossem calorosamente reconhecidas e benevolentemente aceitas. Não conseguimos nos conhecer não por preguiça ou simples negligência, mas porque dói muito.

Processar emoções exige ter bons amigos, terapeutas hábeis e momentos de ritual como a Meditação Filosófica, em que nossas defesas normais podem ser deixadas seguramente de lado e um material desconhecido é separado para investigação.

O resultado de processar nossas emoções é sempre um alívio de nosso humor geral, mas, primeiro, devemos passar por um período de luto – na nossa autoconsciência -no qual reconhecemos gradualmente que, em uma ou outra área, a vida simplesmente é muito mais triste do que gostaríamos que fosse.

By The School of Life

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Autocompaixão no Trabalho

Para sobreviver no mundo moderno, precisamos ser muito bons na autocrítica. Precisamos garantir que nada que nosso pior inimigo possa nos dizer já não tenha sido admitido integralmente por nós;…

Saiba Mais

Como o Romantismo Acabou com o Amor

Apaixonar-se por alguém parece um processo tão pessoal e espontâneo que pode soar estranho – e até um tanto insultante – sugerir que outra coisa (que podemos chamar de sociedade…

Saiba Mais