Voltar
Os Desafios da Boa Comunicação

Os Desafios da Boa Comunicação

Todos podemos – humildemente – imaginar como verdadeiros adultos idealmente se comunicariam. Eles entenderiam o próprio humor claramente, falariam com confiança, mas sem raiva ou amargura, sempre esperariam o momento adequado de defender seu argumento, acreditariam que seriam ouvidos e, assim, não apressariam ou forçariam a questão nem levantariam a voz ou começariam a chorar.

Infelizmente, isso acontece raramente, porque somos – a maioria de nós – apenas adultos na idade cronológica, não na maturidade interna. Em vez de nos comunicarmos de forma direta e serena, tendemos a enviar diversos sinais confusos, indiretos, peculiares e nada úteis sobre o que realmente está acontecendo conosco: sinais que acabam confundindo, enraivecendo e, muitas vezes, entediando nossos colegas ou parceiros. Dificultamos tremendamente que eles nos entendam com empatia – e, ao mesmo tempo, ficamos profundamente ressentidos com seus mal-entendidos. Esse ciclo trágico é tão indigno e doloroso que tendemos a assumir que deve ser peculiar. Ainda assim, na privacidade da nossa mesa de trabalho, a má comunicação é a regra. Deveríamos tentar entender os obstáculos e olhar com empatia e compaixão extrema para como poderíamos melhorar.
Quatro características da forma como nossa mente funciona atrapalham a comunicação sólida:
1: Presumimos que os outros deveriam saber
Não há uma crença mais comum do que aquela que dita que o chefe, o colega ou a outra pessoa deveria entender o que queremos, sentimos, desejamos e o que nos irrita sem que precisemos falar. Temos uma ideia potente de que podemos e deveríamos ser lidos sem palavras ou, sem rodeios, magicamente.
2: Entramos em pânico
Ficamos com tanto medo de não sermos entendidos que nos comportamos de formas que só confirmam e superam nossos piores pesadelos. Em vez de nos explicarmos calmamente, apavorados de estar desperdiçando a vida em um trabalho em que não somos compreendidos ou com alguém comprometido em nos frustrar, explodimos nos piores momentos e ficamos cada vez mais maldosos ou queixosos enquanto argumentamos.
Ficamos mandões, controladores, ou talvez quietos e sérios. Às vezes, mergulhamos no trabalho ou tentamos sufocar a dor com muita comida ou bebida. O que estão vendo é o nosso comportamento externo, não o incômodo por trás dele – e, assim, presumem que simplesmente estamos implicantes ou ocupados, de mau humor ou autopermissivos.
3: Buscamos atenção de formas indesejáveis
Queremos que nos dêem atenção de forma generosa e solidária ao que está nos incomodando, mas, em vez de explicar calmamente, usamos estratégias indiretas – e, às vezes, dramáticas. Mesmo um ato tão aparentemente desdenhoso quanto sair de repente da sala pode ser um pedido de compreensão (mas feito de uma forma que certamente fracassará).
4: Ficamos de mau humor
A birra é uma das variedades mais peculiares da comunicação indireta. Recusamos dizer o que está nos incomodando de uma forma educada e gentil e, ao mesmo tempo, esperamos perversamente que o outro entenda o que está errado e seja totalmente gentil e solidário com nossa causa.
Quando nos perguntam o que houve, respondemos muito secamente “Nada, estou bem”, mas o que realmente queremos dizer é: “você já deveria saber o que está me aborrecendo”. Parece absurdo – e é.
As origens da comunicação indireta quase sempre estão na infância. Quando éramos novos, muitas vezes não tínhamos a capacidade ou o contexto para entender e explicar o que nos aborrecia, então recorríamos a não dizer nada, odiar silenciosamente, fazer manha e bater o pé.
É importante tirar um tempo para praticar a comunicação e receber feedbacks de outras pessoas sobre nosso estilo e tendências. Isso se deve ao fato de que a comunicação é menos um talento e mais uma habilidade, algo em que nós podemos trabalhar e melhorar ao longo do tempo de formas grandes e pequenas. Nós devemos nos observar regularmente, para praticar o que queremos dizer antes de encontros importantes, receber críticas e para incorporar essas críticas sobre nossos hábitos comunicativos no nosso trabalho diário.
Texto do The Book of Life
Para maiores informações sobre nossas aulas de comunicação clique aqui.

By The School of Life

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Autocompaixão no Trabalho

Para sobreviver no mundo moderno, precisamos ser muito bons na autocrítica. Precisamos garantir que nada que nosso pior inimigo possa nos dizer já não tenha sido admitido integralmente por nós;…

Saiba Mais