Sobre o Perfeccionismo

O perfeccionismo é a ambição irracional e autossabotadora de ter algo absolutamente certo – o que faz com que sejamos difíceis de conviver e soframos para aceitar.
As origens do perfeccionismo estão na imaginação, na facilidade com a qual podemos criar uma imagem de um estado ideal das coisas, em comparação com a dificuldade monstruosa de fazer com que esse estado seja estarmos sozinhos. A doença do perfeccionismo é gerada na brecha fértil entre nossas visões nobres e nossa realidade medíocre.
 
Ainda assim, nossos problemas não surgem essencialmente do nosso amor pela perfeição em si. Estão em nossas tendências descuidadas de subestimar as dificuldades de atingi-la. O alvo certo para a crítica (gentil) é o perfeccionismo prematuro.
A precisão de nossa estimativa – de tempo e esforço – depende de uma compreensão adequada da dificuldade inerente de qualquer tarefa. Se reconhecermos totalmente que algo é excepcionalmente árduo, não entramos em pânico quando nossos primeiros esforços são fracos e progridem lentamente. É difícil – mas sabíamos que seria. Padrões altos só se tornam um problema quando achamos que algo pode e deve ser substancialmente mais fácil do que acaba sendo e quando consideramos nossas lutas marcas de nossa própria ineptidão, não uma parte inevitável de uma jornada longa e totalmente legítima.
O perfeccionismo só é um problema porque subestimamos a dificuldade, não porque somos ambiciosos. Isso acontece quando imaginamos poder escrever um bom romance em seis meses ou ter uma boa carreira por volta dos 30 anos ou descobrir espontaneamente como ter um casamento de sucesso.
 
Nosso perfeccionismo começa a nos torturar quando não temos todas as informações sobre quanto os outros precisaram trabalhar e quanto sofreram antes de atingir seus ideais de perfeição. Na Utopia, nossa cultura chamaria infinitamente nossa atenção para os primeiros rascunhos e os trabalhos escondidos dos outros e nos alertaria adequadamente para os verdadeiros horrores causados por qualquer coisa que valha a pena fazer. Então, não seriamos perfeccionistas dolorosamente impacientes, mas sim caçadores resilientes e pacientes da excelência.
O problema é que não estamos mirando a perfeição, mas sim que não temos uma ideia exatamente redentora do que a perfeição realmente exige.


No dia 08 de agosto, na The School of Life, tem A Aula - Como Lidar com o Perfeccionismo. Vagas Limitadas.

Recent entries