Palavras Intraduzíveis

 mailchimp palavras intraduziveis site

Há muitos humores, necessidades e sentimentos que o nosso próprio idioma ainda não definiu com precisão. A palavra perfeita, mesmo que vinda de outro lugar, pode nos ajudar a explicar o que transita no nosso interior, a nós mesmos e aos outros. A existência dessas expressões nos garante, silenciosamente, que um estado mental não é exatamente raro, mas sim raramente mencionado. A palavra certa traz dignidade a nossos problemas e nos ajuda a identificar mais precisamente do que realmente gostamos ou o que achamos irritante. Veja algumas das nossas palavras intraduzíveis preferidas:

 Forelsket (norueguês)

O sentimento eufórico no começo do amor. Mal conseguimos acreditar que alguém tão perfeito entrou na nossa vida. Essa pessoa nos melhora e nos completa. Podemos dizer: “Fui dominado pelo forelsket quando nos demos as mãos…”

 

_ Saudade (português)

Um anseio melancólico agridoce por algo lindo que já se foi: um romance, uma casa de infância ou uma empreitada em ascensão, por exemplo. Há dor, mas também prazer, por algo tão amável ter acontecido em nossas vidas.

 

_ Torschlusspanik (alemão)

Literalmente: pânico com o fechamento do portão. A sensação claustrofóbica e ansiosa de que oportunidades e opções estão se fechando. Você perdeu o barco, precisa se firmar, está ficando velho demais.

 

_ Eudaimonia (grego antigo)

Frequentemente traduzida como “felicidade”, na verdade essa palavra significa o tipo mais profundo de realização, que pode ser representada por uma vida amorosa e profissional próspera, por exemplo. A eudaimonia pode andar de mãos dadas com muito da frustração e da dor do dia a dia. É possível que você tenha eudaimonia, ainda que de tempos em tempos seja um ser um tanto rabugento.

 

_ Litost (checo)

O desespero humilhado que sentimos quando alguém nos lembra, acidentalmente, por meio da própria conquista, de tudo o que deu errado em nossas vidas.

 

_ Querencia (espanhol)

Descreve um lugar em que nos sentimos seguros, um “lar” - que não precisa ser literalmente onde vivemos - de onde tiramos nossa força e inspiração. Na tourada, um touro pode estabelecer uma querencia em uma parte da arena onde irá recuperar suas energias antes de partir para outro ataque.

 

_ Mono no aware (japonês)

Uma sensibilidade aguçada quanto à transitoriedade das coisas adoráveis. Uma ciência melancólica de que tudo de bom desaparecerá, combinada com um grande aproveitamento desta beleza fugaz. A visão de uma flor de cerejeira causa esta emoção como nenhuma outra coisa.

 

_ Vade Mecum (latim)

Na tradução literal significa “venha comigo”. É usado em referência a um livro que, como um amigo, é um guia sábio, útil e constante durante a vida. Ser um vade mecum é o ideal ao qual toda a literatura aspira. As sábias e consoladoras Meditações de Marco Aurélio, escritas no ano 180, são um vade mecum ideal.

 

_ Fika (sueco)

Uma pausa tradicional do trabalho, normalmente envolvendo uma xícara de chá ou café. Em escritórios suecos, você deve, quase necessariamente, fazer uma fika, não importando o quanto esteja ocupado. Nesse momento, você não deve discutir assuntos de trabalho, mas conversar agradavelmente com os colegas e conhecer quem está acima e abaixo de você na hierarquia oficial. É democracia e comunidade em uma bebida.

 

_ Iktsuarpok (inuit)

Uma sensação de expectativa ansiosa que faz uma pessoa ficar olhando pela janela para ver se um visitante aguardado está chegando.

 

_ Mamihlapinatapei (yagan)

Um olhar significativo trocado entre duas pessoas que querem se beijar, mas estão com medo de serem rejeitadas.

 

_ Ataraxia (grego antigo)

Um estado de calma ao qual todos os filósofos estoicos aspiravam. É uma falta de agitação que vem de entender como o universo funciona, aceitar o destino, saber o que se pode controlar e, portanto, focar apenas no que a pessoa pode realmente mudar. Muito útil em situações que não podemos controlar.

 

_ Wabi-Sabi (japonês)

A qualidade de ser atraente por ser imperfeito de alguma forma.

 

_ Cafuné (português brasileiro)

O ato de correr os dedos pelo cabelo de outra pessoa, de forma suave, mas profunda.

 

_ Ya’aburnee (árabe)
O desejo de morrer antes de outra pessoa, porque seria insuportável ficar sabendo que ela morreu. Uma sensação frequentemente tida com relação aos próprios filhos.

 

Texto da The School of Life 

Recent entries