Algumas razões para agradecer

 Somos geniais em focar no que falta em nossas vidas. Nossa insatisfação em geral é bem útil: ela nos afasta da complacência e do tédio, mas também somos afundados por uma incapacidade perniciosa de parar, prestar atenção e reconhecer o que não é imperfeito e espantoso. Em nossa pressa de garantir o futuro, não percebemos o que ainda não nos deixou na mão, o que não está fora de alcance – o que já é muito bom. Deveríamos fazer questão de criar pequenas ocasiões quando fazemos uma pausa na luta e, por alguns instantes, absorver algumas coisas pelas quais temos de ser gratos – um corretivo para todas as aulas de cinismo e amargor que o mundo nos dá diariamente.

– A maioria dos 78 órgãos em nosso corpo funcionou de forma bastante confiável desde que nascemos.

– Não precisamos ter medo de passar fome – ou mesmo muito frio.

– Todo ano, se ficarmos no mesmo lugar, há no mínimo duas semanas de tempo perfeito.

– Nunca estamos longe demais de um bom banho quente.

– Às vezes, ficamos surpresos com a forma como as coisas se desenrolaram.

– Podemos fantasiar, com completa impunidade, sobre as pessoas que não podemos ter.

– Percorremos um longo caminho desde a timidez, a incompetência e o medo do começo.

– Todos bagunçam sua vida.

– É claro que não poderíamos ter sabido.

– Em comparação com o que temíamos nos momentos mais difíceis, este está quase bom.

– Ainda estamos aqui.

– Hoje não aconteceu nenhuma grande catástrofe.

– Algumas vezes, realmente experimentamos o amor.

– Algumas vezes, realmente nos sentimos compreendidos.

– Muitas das pessoas que amamos ainda estão vivas.

– Sempre há música.

– Sem pedir a ninguém, poderíamos entrar em muitas lojas e comprar um mimo.

– Poderíamos desaparecer por um tempo.

– Não estamos mais presos como na infância.

– Ainda nos resta bastante tempo.

– Crianças de três ou quatro anos são, de vez em quando, muito meigas.

– Faz um bom tempo que não há uma guerra.

– Você pode abrir a torneira e água limpa sairá facilmente.

– Podemos sair dos lugares onde nascemos e fomos criados.

– Sempre há alguém sofrendo como nós.

– Todos são esquisitos, nós simplesmente não temos acesso a suas mentes.

– A majestade silenciosa de um céu noturno limpo.

– Somos muito normais no número de idiotices que cometemos.

– Não precisamos nos levar a sério.

– Podemos nos sentir heroicos com relação ao comum.

– Conseguimos aprender algumas coisas ao longo dos anos.

– Há muitas pessoas bonitas para quem podemos ter o prazer de olhar.

– Há pessoas que nos amaram, embora não tenhamos merecido totalmente sua atenção ou devoção.

– Algumas partes do nosso corpo são verdadeiramente bonitas.

– Nossos pais se conheceram e conseguiram fazer amor com sucesso. E os pais deles também. Por pouco não existimos.

– Pessoas se interessaram de forma séria e benigna em nossa educação e desenvolvimento sem absolutamente precisar disso.

– As coisas realmente parecem melhores depois de uma boa noite de sono.

– Muitas das pessoas mais interessantes do mundo escreveram suas ideias e pensamentos.

– Outras pessoas normalmente são mais tímidas, doces e gentis do que esperamos.

– Talvez tenhamos encontrado um bom amigo.

– Podemos escrever tudo o que sentimos.

– Sem muito esforço, podemos pedir uma porção enorme de batata frita.

– Uma vez, deixamos outra pessoa realmente excitada.

– As outras pessoas esquecem as coisas estúpidas que fizemos mais rapidamente do que nós.

– Desculpas sinceras tendem a ser muito bem aceitas.

– Podemos nos reinventar – um pouco.

– Não completamos 18 anos em 1939.

– Nossos pais continuam nos amando mesmo que basicamente os ignoremos por alguns anos.

– Nossos filhos continuam nos amando mesmo que digam que não; inclusive se nem sempre fomos pais perfeitos.

– Quando tivermos 40 anos, nada do que pensamos ou fizemos aos 20 parecerá muito importante.

– Ninguém pode nos impedir de ter nossos próprios pensamentos.

– Podemos ouvir piadas ou histórias das pessoas mais engraçadas do mundo.

– No meio da noite, e de manhã cedinho, temos o mundo só para nós.

– Não é o que aconteceu conosco que importa, mas sim como escolhemos contar a história.

– Não sabemos o que acontecerá no futuro.

 

Para saber mais sobre a aula Como Aproveitar mais a Vida clique aqui:

https://www.theschooloflife.com/saopaulo/eventos/aula/como-aproveitar-mais-a-vida/

 

Texto do The Book of Life

Tradução de Ligia Fonseca

Recent entries