Acordar Antes do Amanhecer

São 5h45 de uma manhã de um dia de verão. Você acordou cedo. Está tudo quieto lá fora. O sol ainda não nasceu. Normalmente, você ainda estaria dormindo, mas decidiu se reconectar com sua vida. Em algum lugar, escuta um caminhão solitário passar.

A previsão do tempo diz que o dia será quente. Toda a luz e o calor prometidos ainda estão além do horizonte, porém a caminho. As nuvens começam a ganhar uma cor laranja e o céu está ficando rosa e roxo. As nuvens mais baixas parecem flutuar em um mar dourado. Se faz tempo que você não vê essa cena, é possível que tenha esquecido o quanto é impressionante. A cada manhã, uma versão desse momento acontece, embora você quase sempre esteja dormindo.

Na cozinha, há alguns restos de ontem. A discussão que você teve na noite anterior parece distante. Por que foi importante? O amanhecer é o convite do mundo para abrirmos mão do passado. Quando todos estão dormindo, a casa parece ser só sua. Você consegue lembrar por que gosta dela.

A noite anterior foi muito tensa enquanto você fazia o jantar. Seu companheiro estava sendo difícil ou pelo menos essa era sua impressão. Como ninguém acordará tão cedo assim, o lugar agora é só seu. Parece diferente a esta hora. A magia da luz do início da manhã lhe faz pensar na infância, nas manhãs de domingo, quando seus pais dormiam até mais tarde, você descia as escadas de fininho e roubava biscoitos. A sensação era a de sair para uma aventura – em sua própria casa.

Agora, você pode ouvir os pássaros, antes que o mundo humano abafe esse som. Durante a noite, uma lesma percorreu uma trilha do parapeito da janela a um vaso de gerânios. No amanhecer, você nota coisas que se perdem na correria do dia. Há partes suas que também são esquecidas. Agora, mais delicadas e mais questionadoras, você tem sentido falta desse lado seu que só aparece a esta hora.

Você sai para comprar algumas coisas no mercadinho. O ar parece abençoadamente fresco. Faz silêncio, pois o barulho normal do trânsito na avenida ainda não começou. Há um breve bater de asas quando um pássaro sai de uma árvore próxima. Dá para ouvir um trinado claro e agudo e outro muito diferente, mais acolhedor e abafado. Os detalhes do mundo natural passam facilmente despercebidos por nós.

Você vê uma beleza tranquila no edifício alto que detestava até agora. Sente simpatia por um homem de cabelo grisalho e curtinho que ruidosamente empilha cestas de compras e caixas de banana fora do supermercado. Há alguém passeando com o cachorro. Como você – pelo menos hoje –, essa pessoa quis acordar cedo, escolheu estar aqui. Você não sabe mais nada sobre ela, só esta coisa que, no momento, parece importante. Quase a cumprimenta. Talvez o faça em outra ocasião. Você anda pela rua – normalmente, tem de esperar o sinal verde e atravessar correndo. Tem tempo de observar as nuvens deixarem de ser rosadas e assumirem sua aparência borrada normal. A esta hora, é um pouco mais fácil pensar positivamente no mundo. A cidade parece serena e elegante. Você sente calma e certo orgulho de si por estar aqui agora.

Recebeu uma injeção de energia para coisas que muitas vezes não quer encarar. Mapeia os prós e contras de uma mudança de carreira em uma folha de papel sulfite, olha velhas fotos de família e envia um longo e-mail à sua mãe, paga algumas contas irritantes online e se livra delas, prepara um bom café da manhã com ovos mexidos.

É estranho: todo o tempo disponível é, na verdade, limitado. Você não pode fazer com que o dia tenha 25 horas, mas agora parece ter uma fatia extra de existência. Ela sempre esteve ali, mas você acabou de encontrar. O tempo pode ser reorganizado: muitas coisas podem contribuir para vivermos uma vida mais parecida com a que queremos. Podemos ter novas chances. Todo dia isso acontece, e todo dia você tem a chance de ser novamente a pessoa que é agora, de manhã cedinho.

 

Texto do The Book of Life

Recent entries