A vida não é justa. Na verdade, é inerentemente injusta.

o grito

Uma relação de trabalho de longa data chegará ao fim. Um romance terminará repentinamente. Pessoas ficarão estranhas com você, te deixarão de fora de coisas agradáveis e você nem saberá o por quê. Você lerá sobre você mesmo nas redes sociais e cada medo se confirmará.

Muitas coisas dão errado ao longo da vida e você vai querer morrer e jogar tudo pra cima e desistir desse mundo doloroso.

Quando você olha para uma criança, isso é o que espera por elas. Isso é o que emociona quando você olha um bebê dormindo. Você está olhando para a inocência através das lentes de uma experiência dolorosa. Eles sofrerão e simplesmente não há nada que você possa fazer para ajudá-los, a não ser uma coisa: ensiná-los que o sofrimento é normal. Não é sinal que a vida vai dar errado, é uma parte comum da biografia de todos.

A única maneira é aprender a lutar.

A tentação será a de se isolar sob uma rocha, de recolher a ponte levadiça, de esconder-se em uma concha. Mas os desafios são como o fogo, um leito de brasas que você precisa atravessar. A luta é de se esperar, as dificuldades são um sinal de que as coisas estão nos trilhos.

Estar sendo rejeitado ou ter inimigos não é evidência que sua vida é uma ruína, é a prova de que você encontrou algo pelo qual vale a pena viver.

Nossa mentalidade – a forma como vemos ou abordamos o mundo e os problemas da vida – frequentemente determina nosso nível de resiliência e, portanto, como lidamos com mudanças e perdas.

Uma das formas de cultivar uma mentalidade mais resiliente é notar como nós contamos a história de quando as coisas dão errado. Se nós pudermos ver o fracasso e os obstáculos como uma experiência de aprendizado que é parte da condição humana, nós seremos muito mais capazes de lidar com as crises a longo prazo.

 

Texto do The Book of Life

Recent entries